ESTADOS UNIDOS - 2ª GUERRA MUNDIAL: A BATALHA DO MAR DE CORAL - 1942!!!

Ir em baixo

ESTADOS UNIDOS - 2ª GUERRA MUNDIAL: A BATALHA DO MAR DE CORAL - 1942!!!

Mensagem por Antonio C. Pulsy em Sab Mar 10 2018, 20:57

Compartilho com os colegas, "A Batalha do Mar de Coral - 1942".


                                                  A BATALHA DO MAR DE CORAL:
                                           PRIMEIRA BATALHA ENTRE PORTA-AVIÕES.

Final de abril de 1942. Os decifradores de códigos americanos haviam decifrado que uma operação japonesa era iminente a Port Moresby, na Nova Guiné, de onde atacaria a Austrália. Isto foi possível com a decifração dos códigos japoneses, principalmente o JN25, o código mais importante, que permitiu aos americanos  derrotar facilmente as forças japonesas. O Almirante Chester Nimitz, Comandante-Chefe do Pacífico, preparou uma emboscada para enfrentá-la. A Batalha do Mar de Coral foi travada apenas por aviões, sem que os navios se avistassem. Foi a primeira desse tipo na história. Os porta-aviões que tinham escapado à destruição em Pearl Harbor teriam agora a sua oportunidade: o Lexington e o Yorktown, com uma escolta composta de oito cruzadores pesados, três cruzadores australianos e 12 destróieres, sob o comando-geral do Almirante Frank Fletcher, formavam a Força-Tarefa 17. Sua missão era frustar a invasão japonesa a Port Moresby na costa sul da Nova Guiné. O episódio que ficou conhecido como a “Batalha do Mar de Coral”, ocorreu de 4 a 8 de maio de 1942. Foi a primeira ação da história entre forças aéreas de porta-aviões. Os aviões de ataque do Almirante Frank Fletcher começaram a alcançar a força de cobertura japonesa, afundando o porta-aviões Shoho, tendo este sido atingindo por 13 bombas e 7 torpedos. Os aviões de reconhecimento do Vice-Almirante Chuichi Hara avistaram o petroleiro da esquadra americana Neosho e o destróier de escolta Sims, e informaram que se tratava de um porta-aviões e um cruzador, provocando um violento ataque dos aviões dos porta-aviões Shokaku e do Zuikaku que afundaram o Sims e o Neosho, mas deixaram intocáveis os porta-aviões americanos. Assim que os aviões desse ataque retornaram, Hara despachou-os novamente com ordens de atacar ao anoitecer. Mas, devido a visibilidade ser ruim, ocultando os alvos para o ataque, trouxe um problema aos pilotos japoneses que foram obrigados a jogar suas bombas e torpedos no mar, depois de uma busca infrutífera pela esquadra americana. Ao retornarem aos porta-aviões Shokaku e ao Zuikaku, tiveram a humilhante experiência de sobrevoar a força naval americana e serem abatidos pelos caças americanos Grumman F4F Wildcat que foram enviados para interceptá-los. Somente sete dos vinte e oito aviões japoneses que participaram desse ataque frustrado retornaram aos porta-aviões japoneses. A manhã do dia 8 foi testemunha de que a batalha atingia o auge com japoneses e americanos desfechando ataques violentíssimos um contra o outro. Os americanos acertaram o porta-aviões Shokaku com duas bombas de 500 libras que perfurou o convés de voo, vindo a explodir no interior do seu casco, causando extenso incêndio. Os japoneses causaram, também, danos mortais no porta-aviões Lexington, acertando-lhe dois torpedos e duas bombas. O porta-aviões Yorktown escapou aos torpedos japoneses, mas foi atingido por uma bomba de 800 libras que explodiu no interior do seu casco. No confronto aéreo, os americanos abateram 39 aviões japoneses e perderam 33. Abalado por repentinas explosões internas, o porta-aviões Lexington foi abandonado, após cinco horas de trabalho desesperado para controlar as chamas. A perda do porta-aviões Lexington, passou a acusar vitória dos japoneses. Mas era apenas uma vitória tática. Na verdade os americanos haviam vencido a batalha no dia 7, pois o afundamento do porta-aviões Shoho forçara a retirada da esquadra de invasão de Port Moresby, plano principal dos japoneses e os acontecimentos do dia 8 fizeram com que o Vice-Almirante Shigeyoshi Inouye adiasse toda a operação. Pela primeira vez, desde Pearl Harbor, uma operação anfíbia japonesa fora frustrada. Taticamente, o Japão vencera, mas em termos de estratégia sofrera um golpe cujos efeitos iam muito além do fracasso do objetivo dessa operação. O USS Yorktown, que os japoneses deixaram "afundando", quando o abandonaram, retornou com dificuldades ao Havaí para se submeter a reparos e voltar a ativa. A perda do porta-aviões Shoho foi um terrível golpe para o orgulho dos japoneses, mas não chegou a ser uma catástrofe. Porém, o que mais se lamentou e causou maior prejuízo foi a perda de pilotos treinados. Foram tantos os que desapareceram e tamanha a dificuldade em substituí-los, que o porta-aviões Shokaku e o Zuikaku não puderam tomar parte na "Operação Midway".


FOLHINHA DE SELOS BATALHA DO MAR DE CORAL - 1942.


FDC 50 ANOS DA BATALHA DO MAR DE CORAL - 08/05/1942.


CARTÃO POSTAL DE PROPAGANDA JAPONÊS, USS LEXINGTON SOB ATAQUE.


PORTA-AVIÕES USS LEXINGTON.


PORTA-AVIÕES USS YORKTOWN.


DESTRÓIER USS SIMS.


CAÇA GRUMANN F4F WILDCAT.


PORTA-AVIÕES ZUIKAKU.


PORTA-AVIÕES SHOKAKU.


PORTA-AVIÕES SHOHO.


PINTURA ATAQUE AO PORTA-AVIÕES SHOHO.


ATAQUE AÉREO AO PORTA-AVIÕES SHOHO. BOMBA DE 450 KG ACERTA O ALVO.


PORTA-AVIÕES SHOHO ATINGIDO POR UM TORPEDO LANÇADO DE AVIÃO (COLUNA DE ÁGUA A DIREITA).


PORTA-AVIÕES LEXINGTON EM CHAMAS.


PORTA-AVIÕES LEXINGTON ADERNADO. SEU FIM ESTAVA PRÓXIMO.
avatar
Antonio C. Pulsy

Idade : 62
Localização : Canoas/RS.
Data de inscrição : 24/04/2014

http://antonio.pulsy@bol.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ESTADOS UNIDOS - 2ª GUERRA MUNDIAL: A BATALHA DO MAR DE CORAL - 1942!!!

Mensagem por FRITZEN em Dom Mar 11 2018, 08:52








avatar
FRITZEN

Localização : florianópolis
Data de inscrição : 24/08/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum