POLÔNIA - 2ª GUERRA MUNDIAL: O ANJO DO GUETO DE VARSÓVIA - 1940!!!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

POLÔNIA - 2ª GUERRA MUNDIAL: O ANJO DO GUETO DE VARSÓVIA - 1940!!!

Mensagem por Antonio C. Pulsy em Sab Out 07 2017, 21:23

Compartilho com os colegas, "O Anjo do Gueto de Varsóvia - 1940".


                                                 O ANJO DO GUETO DE VARSÓVIA.

Irena Sendlerowa ou, Irena Sendler, católica romana (nasceu em Otwock, Polônia em 15 de fevereiro de 1910 - faleceu em Varsóvia, Polônia em 12 de maio de 2008) foi uma assistente social polonesa que salvou cerca de 2500 crianças judias das mãos dos nazistas, transportando-as para fora do Gueto de Varsóvia e dando a elas uma identidade falsa. Seu pai era médico, diretor de um hospital. Irena lembrava dele como alguém possuidor de grande compaixão e que costumava ensinar: “Se você ver alguém se afogando, precisa tentar salvá-lo, mesmo que você não saiba nadar”. Irena se casou pouco antes da guerra, mas se divorciou logo depois. Casou uma segunda vez, agora com um ativista chamado Stefan Zgrzembski, com quem teve três filhos. Ela ocupava um cargo Administrativo nos Serviços Sociais de Varsóvia quando, em 1939, a Alemanha nazista ocupou a Polônia. Depois da invasão da Polônia, o governo nazista criou o "bairro judeu" em Varsóvia (1940). Em duas semanas, a população local de 160 mil pessoas foi para 400 mil habitantes de judeus, onde foram confinados no pequeno gueto da capital, no qual as condições de vida eram péssimas. Logo após o confinamento, os nazistas ordenaram a suspensão dos serviços sociais normais, tais como o abastecimento de comida, de medicamentos e de serviços médicos. Encarregada de levar adiante um serviço de prevenção contra o tifo e a tuberculose, Irena tinha permissão para circular livremente no interior do gueto, uma vez que os nazistas tinham receio muito grande destas duas doenças contagiosas e mortais. Foi assim que ela convenceu pais judeus a lhe entregar seus filhos para que os levasse e escondesse fora do gueto. Para transportar as crianças, Irena as escondia dentro de grandes sacos de lixo, no fundo de caixas de ferramentas, dentro de esquifes funerários e, inclusive, utilizou os esgotos da cidade. Um cachorro de grande porte estava sempre a seu lado, quando conduzia seu furgão de assistência. Fora ensinado a latir e a rosnar, quando alguma das crianças escondidas resmungava ou chorava, ou mesmo, quando uma patrulha nazista se aproximava para inspeção. Ao mesmo tempo, Irena recebia ajuda de um organização polonesa que foi formada durante a guerra para ajudar os judeus, a organização ZOB (Zydowska Organizacja Bojowa, em português – Organização de Proteção aos Judeus). As crianças resgatadas recebiam novos nomes e documentos falsos, e eram colocadas junto de famílias polonesas ou escondidas em estabelecimentos religiosos cristãos tais como igrejas, conventos e mosteiros. Irena escrevia seus verdadeiros nomes em folhas de papel que guardava, bem como onde estavam albergadas. Em 20 de outubro de 1943, Irena Sendler foi presa pela Gestapo e levada para a prisão de Pawiak, onde foi brutalmente torturada. Num colchão de palha, encontrou uma pequena estampa de Jesus Misericordioso com a inscrição: "Jesus, em Vós confio", e conservou-a consigo até 1979, quando a ofereceu ao Papa João Paulo II. Quebraram-lhe os ossos dos pés e das pernas a pauladas, mas não conseguiram quebrar a sua determinação. Foi condenada à morte. Enquanto esperava pela execução, um soldado alemão levou-a para um "interrogatório adicional". Ao sair, gritou-lhe em polaco "Corra!". No dia seguinte, Irena encontrou seu nome na lista de polacos executados. Os membros da ZOB tinham conseguido deter a execução de Irena subornando os alemães, e Irena continuou a trabalhar com uma identidade falsa. Em 1944, durante a revolta de Varsóvia, colocou as suas listas em duas garrafas de vidro e enterrou-as no jardim de uma vizinha para se assegurar de que chegariam às mãos indicadas, caso ela morresse. Ao acabar a guerra, Irena desenterrou as garrafas e entregou as listas ao doutor Adolfo Berman, o primeiro Presidente do Comité de Salvação dos Judeus sobreviventes, assim deu início a um trabalho para tentar reunir as crianças às suas famílias, ou pelo menos àqueles parentes que tinham escapado ao genocídio. A maior parte das famílias tinham perecido, mas muitas crianças conseguiram reencontrar seus parentes, dispersos em várias localidades da Europa. Em 1965, a organização Yad Vashem de Jerusalém, outorgou-lhe o título de "Justa entre as Nações" e a nomeou cidadã honorária de Israel. Em novembro de 2003, o presidente da República Aleksander Kwaśniewski, concedeu-lhe a mais alta distinção civil da Polônia: a "Ordem da Águia Branca". Irena foi acompanhada pelos seus familiares e por Elżbieta Ficowska, uma das crianças que salvou. Elzbieta foi salva quando tinha apenas seis meses de idade, escondida dentro de uma caixa de ferramentas de carpinteiro. Em 2005, Irena declarou ao jornal britânico The Daily Express que o maior ato de amor que ela testemunhou durante a guerra foi o das mães judias, quando lhe entregavam seus filhos. “A pergunta que todo pai ou mãe me faziam era sempre a mesma: ‘Você garante que ele/a sobreviverá?’ E eu, honestamente, era obrigada a responder que não podia garantir isso, já que nem sequer tinha certeza que sairia viva do gueto naquele dia. A única coisa certa era que as crianças morreriam se ficassem ali. Nos meus sonhos, até hoje, ainda ouço o seu pranto quando deixavam os familiares”. Em 2006, Irena estava na lista dos candidatos ao Prêmio Nobel da Paz. Mas não foi a escolhida. Quem ganhou o prêmio foi Al Gore por sua campanha sobre o aquecimento global. Em entrevista dada em 2008 ao jornal The Sun, pouco antes de morrer, aos 98 anos, Irena declarou, repetindo as palavras de seu pai: “Se alguém está se afogando, você tem de estender-lhe uma mão. Quando a guerra começou, todos na Polônia estavam se afogando num mar de sangue, e os que mais se afogavam eram os judeus. E entre os judeus, os que mais sofriam eram as crianças. Não pude deixar de dar-lhes minha mão”. Em 12 de maio de 2008, Irena Sendler faleceu aos 98 anos, mas seu trabalho e legado continua, através de uma organização chamada Life in a Jar (“A Vida numa Jarra”).


CARTÃO POSTAL COM SELO IMPRESSO IRENA SENDLER.




CARTAZ EM ALEMÃO E POLACO, ANUNCIANDO OFICIALMENTE A PENA DE MORTE, A CADA POLACO
QUE AUXILIA OS JUDEUS - 05/09/1942.


IRENA SENDLER CONDUZINDO SEU FURGÃO NO GUETO DE VARSÓVIA.


CRIANÇAS NO GUETO DE VARSÓVIA.


MICHAL, PIOTR E ELZBIETA, CRIANÇAS JUDIAS SALVAS POR IRENA SENDLER.


JUDEUS DO GUETO DE VARSÓVIA SÃO LEVADOS POR SOLDADOS NAZISTAS.


IRENA SENDLER AOS 95 ANOS.


JUSTA ENTRE AS NAÇÕES.


BUSTO DE IRENA SENDLER.




TUMULO DE IRENA SENDLER.
avatar
Antonio C. Pulsy

Idade : 61
Localização : Canoas/RS.
Data de inscrição : 24/04/2014

http://antonio.pulsy@bol.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POLÔNIA - 2ª GUERRA MUNDIAL: O ANJO DO GUETO DE VARSÓVIA - 1940!!!

Mensagem por Gonzaga em Dom Out 08 2017, 11:20

Antonio, tudo bem.......

Outra abençoada naquela época sombria...........

Esta história também vai para o diretório Polônia que faz parte das minhas coleções pessoais.

Abs e obrigado pela contribuição
avatar
Gonzaga

Localização : São Paulo
Data de inscrição : 18/10/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POLÔNIA - 2ª GUERRA MUNDIAL: O ANJO DO GUETO DE VARSÓVIA - 1940!!!

Mensagem por Antonio C. Pulsy em Dom Out 08 2017, 19:03

Prezado,

agradecido...vou procurar outros relatos da Polônia.
avatar
Antonio C. Pulsy

Idade : 61
Localização : Canoas/RS.
Data de inscrição : 24/04/2014

http://antonio.pulsy@bol.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: POLÔNIA - 2ª GUERRA MUNDIAL: O ANJO DO GUETO DE VARSÓVIA - 1940!!!

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum