Considerações de um filatelista reiniciante

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Considerações de um filatelista reiniciante

Mensagem por rafaelkonzen em Seg Jun 20 2011, 20:45

Amigos, hoje terminei de montar meu álbum de selos do Brasil. Como queria fazer do meu jeito, arregacei as mangas e mandei ver, e modéstia a parte, gostei muito hehehe. Bom, depois do meu retorno (havia parado em meados de 1989) percebi muitas mudanças na filatelia, algumas boas e algumas ruins. Talvez até já tenha sido levantado essa bola por aqui, mas estou no meu dia de "filosofar"...
A internet, por um lado, facilitou e democratizou o acesso a informação, e isso inclui a filatelia em geral (vide este fórum, e outros sites). Hoje fica muito fácil ter acesso a muita informação sem precisar ser associado de um clube filatélico.
Por outro lado, a internet praticamente matou a comunicação por carta. E com isto, o recebimento de cartas com selos é incrivelmente baixo. Praticamente as cartas com selos que recebo são de filatelistas. Quando recebo alguma com selo que não seja de um filatelista, 95% são regulares. Hoje fui em uma agência dos Correios pagar duas guias de imposto (o banco que trabalho somente aceita no caixa, e já tinha passado as 16h) e fiquei pensando sobre o futuro da filatelia. Já vi muitos aqui reclamando que os correios não usam mais selos nos envelopes. Enquanto esperava para ser atendido, fiquei observando, e o tempo que um funcionário leva para colar selos em uma carta é dispendioso. Os selos autoadesivos facilitam muito, e como qualquer empresa (mesmo pública) tem que ter lucro, e a fila tem que andar. Quando que usamos os serviços dos Correios? Quem ainda envia cartas? Os Correios servem hoje, principalmente (não tenho nenhuma fonte para isto, é pura observação) para envio de documentos e mercadorias. Na questão de documentos, a maioria vai por sedex (que não requer selo) ou é enviado por empresas com contrato com a ECT (também sem selos).
Qual seria a solução para incentivar a filatelia, afinal não vamos voltar a enviar cartas? Pensei em algumas soluções, boas e ruins...
- SEDEX com documentos teria que ter selo. A desvantagem é que obrigatoriamente teríamos selos com valores elevados.
- Encomendas com selos... não sei seria possível... acho que li que o selo é apenas para portear correspondências, não encomendas (pelo que sei, são objetos/serviços postais diferentes). Novamente, teríamos selos de valor facial mais alto.
Em época de comércio eletrônico, seria uma boa.
- As empresas que enviam grandes quantidades de correspondências (bancos, cartões de crédito, concessionárias de luz, telefone, tv a cabo, etc) teriam que usar selos em suas correspondências. Acho isso tão improvável quanto o Esporte Clube Novo Hamburgo (time da minha cidade, disputa, por enquanto, hehehe, a primeira divisão do Gauchão) ser campeão brasileiro de futebol. O trabalho seria imenso, e as empresas ainda teriam que disponibilizar funcionários para tal tarefa. É uma utopia, mas que seria muito bom, ah isso seria... íamos receber muitas cartas com selos.
- Todos os selos serem autoadesivos. Acho que isso ajudaria muito. Vi hoje que muitos atendentes evitam usar selos com goma pelo trabalho que dá dobrar a folha, destacar o selo, molhar o verso e colar no envelope. Com o selo autoadesivo, ganha-se tempo, e hoje, com a concorrência de outras empresas, tempo é dinheiro. Mas precisariam melhorar a questão do adesivo, que não sai com água. Teriam que mudar a fórmula, para que não seja necessário manipular produtos tóxicos.
Quis incentivar meu afilhado de 7 anos a iniciar na filatelia, mas desisti. Hoje, praticamente a única forma de se conseguir selos é comprando-os, e isso me entristesse muito. Como uma criança vai poder começar na filatelia com poucos recursos, se é praticamente impossível conseguir selos de graça? E os poucos que se consegue, é necessário usar um produto extremamente tóxico, de aquisição restrita? Resumindo, desisti. Se não mudarem isso, com certeza novos filatelistas serão raríssimos no futuro.
Uma coisa boa da filatelia é que ela é extremamente barata, para quem não quer se especializar muito. Consegue-se comprar lotes de selos nacionais usados R$ 0,08 a unidade e novos a R$ 0,10 a unidade e lotes de selos extrangeiros a R$ 0,03 a unidade. Isso é muito barato. Mas pode se tornar extremamente caro quando se busca a especialização. Me assusta o valor a que chegaram os selos nacionais a partir de 1994, mesmo os usados. Com respeito aos comerciantes e aos amigos que vendem selos, alguns valores são irreais. Mas como compra que quer e se tem quem pague, que façam um ótimo negócio. Realmente não consigo me imaginar investindo R$ 300,00 (ou bem mais) em um pedacinho de papel. Isso daria briga feia aqui em casa. De novo, respeito que compra e quem vende, mas como filatelia para mim é apenas um hobby, prefiro investir este valor em selos mundiais, que me darão alguns meses de diversão separando-os e catalogando-os. Claro que isso só vale para quem coleciona selos mundiais, como eu, que acabo colecionando de tudo.
A propósito, este é um dos motivos que não procurei ainda uma associação filatélica: cansei de ler em vários sites de associações que não se deve fazer uma coleção de selos mundias, pois é impossível completá-la, perde-se o foco, e sei lá mais o que. Até tem razão isso, mas em compensação, é a forma mais barata de se divertir, e quem disse que eu quero completar algo? Estou nisso pela diversão, ou como dizer "I´m in for the long ride"... Não é por investimento, mas por puro divertimento.
Uma crítica que faço a filatelia hoje é que ela é muito séria, é quase um bibelô que ninguém pode encostar. Tenho o maior orgulho de mostrar minha coleção para visitas, deixar que folheiem as páginas do álbum, vejam e leiam.
Finalizando (olha no que deu ficar uns 20 minutos esperando para ser atendido na agência dos Correios, kakakaka), continuo imaginando formas de divulgar e facilitar o acesso a selos por novos filatelistas... e depois de ter escrito tudo isso, acho que o mais viável (apesar de muitos serem contra) são os selos comemorativos autoadesivos, mas desde que a cola adesiva seja mudada e solúvel em água, não esta aberração que temos hoje. Aceito críticas ao que escrevi aqui, afinal estou reiniciando e posso ter falado algumas inverdades.

Um grande abraço

Rafael
avatar
rafaelkonzen

Idade : 41
Localização : Novo Hamburgo - RS
Data de inscrição : 03/04/2010

http://mystampcollectionbrazil.blogspot.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Considerações de um filatelista reiniciante

Mensagem por israpaulo em Ter Jun 21 2011, 07:09

Grande artigo... pode figurar em qualquer revista filatelica.

Vou escrever agora umas palavras que podem desagradar os colecionadores mais classicos.

Eu acho que o unico jeito de incentivar a filatelia entre os jovens e emitir selos de temas que agradam eles, e mais, com um design correspondente. O que quero dizer e que se a molecada gosta de futebol, lancar selos com fotos de jogadores, em algumas emissoes de forma que as criancas vao colecionando.
Pode ser que serao criadas figurinhas, mas que podem ser enviadas pelo correio, e por exemplo , poderia se dar premios aos garotos que colecionassem e completassem as series novas ou usadas.
avatar
israpaulo

Idade : 46
Localização : Israel
Data de inscrição : 19/02/2008

http://www.superfilatelico.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Considerações de um filatelista reiniciante

Mensagem por Mitch Macgregord em Ter Jun 21 2011, 07:43

Li este artigo com muito prazer, pois assim aprendemos e avançamos e as opiniões so são opiniões se compartilhadas. Se ninguém fala nada sera dito e ainda menos entendido.
De outra parte acho que esta evolução filatelica é mundial, mundialização não faz que construir, mas transforma e tudo não é sempre positivo.
Acho que a primeira coisa que deveria ser feita é que a qualidade da filatelia avança no mesmo passo que os preços, pois se os selos devem atrair não é so pelo preço e pelo dinheiro comercial que pode ser ganhado na venda e compra.
Acho que a filatelia vai morrer aos poucos com a evolução do homem. Este foi um tempo magico, pois como nossos parentes nos falavam em nossas infancia da época deles, como falamos hoje da televisão preto e branco. Nos falaremos dos selos. No futuro poderemos dizer voce se lembra dos selinhos meu amigo ^^ sim sim voce sabe eu tenho um D.Pedro, é poxa legal. Etc...
Mas as coleções se concentrarão em selos antigos e em cartas de uma época magica, onde a musica não era eletronica, onde a tv era em 2D, e onde as cartas tinham estes pequenos papéisinhos geniais, que apaixonavam grandes e pequenos. Espero e do fundo do coração lutarei para que a filatelia dure, e quando esta não estiver mais, farei meu possivel para que não seja nunca esquecida mesmo se é so ao nivel de minha pequena coleção. E minha conversação preferida sera ao torno de uma cervejinha com uns amigos filatelistas e mesmo se eu terei 70,80,90 ou mais anos ^^( esperamos sempre ir longe ), com a nostalgia filatelica as lembranças de um tempo onde a cada carta um gostinho de cola vinha nos açucarar o paladar antes a enviar. O tempo magico onde a palavra selo, filatelia, filagranoscopio, pinças, lupas, classificadores e catalogos e tantas outras palavras tinham um sentido em nossas cabeças e nossos corações.

Então meu amigo Rafael, mesmo se iniciante, voce me mostrou a sabiencia como diz nosso amigo Gabriel pensador, de um verdadeiro filatelista. Obrigado pelo teu artigo, pois é assim que levaremos a filatelia ao mais longe possivel, mesmo se no fundo nos sabemos que tudo passa e sempre passara.
Obrigado mais e mais.

Abraços

Michel
avatar
Mitch Macgregord

Idade : 41
Localização : França
Data de inscrição : 06/03/2009

http://selorium.blogvie.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Considerações de um filatelista reiniciante

Mensagem por Marcelo Zampa Filgueiras em Ter Jun 21 2011, 07:51

Bom dia Rafael. Gostei muito de suas palavras pois sigo o mesmo rumo. Não pretendo completar nenhum país ou me manter em algum tema. Recebo selos em fragmentos de papel de amigos, deixo na água e depois retiro para minha coleção. Não consigo imaginar desprezando uma enormidade de selos pois estes não pertencem a determinado país ou tema. É puro hobby, sem nenhum interesse financeiro. O Israpaulo falou algo realmente muito verdadeiro: os selos deveriam ter temas que agradem aos jovens. No Japão isto é muito comum e poderíamos adotar aqui no Brasil. Uma ideia seria instituir nas escolas um dia do envio de uma carta por parte dos alunos, para experimentarem a sensação de enviar e receber.
Abraços
avatar
Marcelo Zampa Filgueiras

Idade : 50
Localização : São João Nepomuceno - MG
Data de inscrição : 07/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Considerações de um filatelista reiniciante

Mensagem por Ernane Ferreira em Ter Jun 21 2011, 10:45

bom dia Rafael. Gostei do artigo que tal publicar na COFI, seria uma boa ideia.
avatar
Ernane Ferreira

Idade : 28
Data de inscrição : 25/01/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Considerações de um filatelista reiniciante

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum