INGLATERRA - 2ª GUERRA MUNDIAL: OPERAÇÃO EPSOM - 1944!!!

Ir em baixo

INGLATERRA - 2ª GUERRA MUNDIAL: OPERAÇÃO EPSOM - 1944!!!

Mensagem por Antonio C. Pulsy em Qua Maio 23 2018, 17:59

Compartilho com os colegas, "Operação Epsom - 1944".


                                                   OPERAÇÃO EPSOM.
                                                              1944.
                             
Com o sucesso do desembarque na Normandia em 06 de junho de 1944, os Aliados continuaram seu avanço na França ocupada. Os Aliados tinham vários objetivos estratégicos de forma a garantir que as Forças Aliadas fossem apoiadas numa rota segura. Estes incluíram Cherbourg, Le Havre e, talvez, o mais difícil de todos os objetivos iniciais: Caen. A "Operação Epsom" ocorreu entre 26 a 30 de junho de 1944 e foi criada e implementada para a captura da cidade de Caen, com o fim de estabelecer um ponto seguro na Normandia. Isto mais uma vez colocou frente-a-frente os famosos adversários, o General alemão Erwin Rommel e o General britânico Bernard Montgomery que no passado, tinham lutado um contra o outro nas areias do norte da África. Caen não caiu nas mãos dos Aliados no Dia D como inicialmente se tinha planejado, portanto, era imperativo criar um plano para capturar este ponto vital. Principalmente, através das tropas canadenses e britânicas que forçavam a movimentação para o interior, onde o Exército Alemão se encontrava apoiado pela 12ª Divisão Panzer SS Hitlerjungend (Juventude Hitlerista). Nos dias seguintes ao sucesso nas praias Gold, Sword e Juno, as forças britânicas e canadenses avançaram para o sul. Cerca de 60 mil soldados apoiados por 600 veículos blindados britânicos e canadenses avançaram em direção ao objetivo estratégico vital: Caen. Montgomery, contando com táticas já experimentadas e testadas, inicou o ataque em 26 de junho com sua artilharia móvel. Seu plano constituia-se por enorme fogo de artilharia para neutralizar os alemães, de forma a dar cobertura às tropas de assalto. Suas armas não tinham o objetivo de atacar diretamente as unidades inimigas, mas sim, como forma de atingir toda uma área pré-determinada. O efeito causou a imediata desorganização das defesas alemãs. No entanto, o plano teve vários problemas: os aliados estavam enfrentando os fanáticos e temíveis soldados da 12ª Divisão Panzer SS Hitlerjungend. Contra múltiplos ataques, as forças alemãs lutaram sem rendição, impedindo o avanço das forças anglo-canadense. Num avanço mais determinado pelos canadenses, abriram um corredor vital que permitiu a passagem dos reforços, mas foram também ameaçados, quando os dois lados se encontraram sob um contra-ataque alemão. Outro confronto ferrenho foi a Batalha da Colina 112, a cerca de 10km da cidade de Caen, que tem vistas para a cidade. Esta era fortemente guarnecida pelas forças de Rommel. Esta localização era vital para o controle estratégico da Normandia, uma vez que permitiria a vigilância dos vales de Odon e Orne. Apesar da investida por tanques britânicos Churchill, apenas um lado da colina foi capturado. A resistência alemã era defendida por tanques Tiger I e Panther, opondo-se assim, ao controle dos britânicos desta posição crucial. Os blindados britânicos foram retirados da colina e reposicionados na noite de 29 de junho como tentativa de se protegerem de novos ataques das Panzer SS. Apenas um pequeno grupo de infantaria permaneceria no local, mas acabariam expulsos da sua posição, durante a noite pelos alemães. A análise da Operação Epsom, ainda hoje, é muito debatida em termos de qual dos lados teria a maior vantagem. A única conclusão que se pode tirar é que a operação foi extremamente mortal para os aliados e as forças alemãs.

                                                    BATALHA DE CAEN.

A Colina 112 é uma pequena colina localizada a cerca de 10 km a sudoeste de Caen, em uma área entre a junção do vale de Orne e Odon e a vila de Esquay-Notre-Dame. A Colina 112 dominava os dois vales, daí sua importância estratégica. Sua tomada inicial foi planejada como parte da Operação Epsom, onde o objetivo principal era cercar Caen a partir do oeste, cruzando os vales Odon e Orne, em seguida, virar à esquerda para chegar a Bretteville-sur-Laize, ao sul da cidade para cortar todas as estradas que levam a Caen. A operação Epsom teve que parar quando, as tropas aliadas foram paradas naquela colina. A Colina 112 e a cidade de Évrecy foram objeto de furiosos combates na Batalha de Odon, durante a Operação Epsom, que ocorreu de 25 de junho a 10 de julho. Estas lutas viram o empenho de quase todas as unidades britânicas presentes na Normandia contra as unidades de elite das Waffen SS. Ambos os lados registraram muitas perdas em homens e equipamentos. Durante a Operação Júpiter, algumas unidades como o 5º Batalhão do Duque da Cornualha (5º DCLI) serão praticamente destruídas. Este será removido e colocado na reserva da brigada. Os alemães usarão maciçamente o "Nebelwerfer" (lançadores de foguetes), bem como canhões de grosso calibre, onde estes disparavam obuses de até 250kg para atenuar a deficiência da artilharia pesada. Os contra-ataques dos blindados alemães serão realizados em grande parte pelo 102º Batalhão SS de Tanques Pesados, composto de tanques Tiger I e Panther, que apoiará efetivamente as várias unidades alemãs. No final dos combates, o aspecto lunar do solo na Colina 112, comparável ao campo de batalha de Verdun, monstrou a ferocidade dos combates. Os britânicos sofreram os ataques alemães, mas as barragens de artilharia e a força aérea tornaram possível repelir os ataques. Entre os dias 25 e 30 de junho, as perdas das três divisões do VIII Corpo chegaram a 4.000 homens, mortos, feridos, desaparecidos ou presos. Um avanço significativo pelos canadenses formaram um corredor vital que permitiu a passagem dos reforços, mas foi também ameaçado, quando os dois lados se encontraram sob um contra-ataque alemão. O corredor estará definitivamente seguro no dia 2 de julho. Esta operação é um meio sucesso em termos de ganho de terreno, e as perdas foram terríveis (um quarto da infantaria foram mortos ou feridos). Estrategicamente, é uma vitória: a ofensiva atraiu a maioria das divisões blindadas alemãs de Caen, abrindo assim, as reservas alemãs e permitindo que o Exército dos EUA não sofresse ataque das tropas blindadas alemãs. Embora a Operação Epsom não tomou Caen, os alemães sofreram perdas pesadas de tanques ​​em todas as unidades Panzer disponíveis para conter esta ação dos Aliados.

Perdas (mortos, feridos, desaparecidos, prisioneiros):

> VIII Corpo Britânico: 4.020 a 4.900.
> 150 tanques destruídos ou danificados.

> 12ª SS Panzer Divisão "Juventude Hitlerista": 2.662, incluindo:
> 12ª SS Panzer Regiment: 324.
> 25º SS Panzer Grenadier Regiment: 383.
> 26º SS Regiment Panzer Grenadier: 1.017.
> 12ª SS Pz Aufklärungs Abteilung (Reconhecimento): 250.
> 12ª SS Pz Pionier Bataillon: 490.
> 12ª SS Pz Artilharia e outros: 198.
> 126 tanques destruídos ou danificados.


MARECHAL DE CAMPO
BERNARD MONTGOMERY.


MARECHAL DE CAMPO
ERWIN ROMMEL.


TANQUE CHURCHILL MK IV.


NEBELWERFER (LANÇADOR DE FOGUETES).


NEBELWERFER.


MAPA OPERAÇÃO EPSOM - 1944.


TANQUE CHURCHILL A CAMINHO COLINA 112.


TANQUES SHERMAN PASSAM POR UM TANQUE TIGER I DESTRUÍDO.


COLUNA DE TANQUES SHERMAN.


UM DISPARO DE MORTEIRO ALEMÃO ACERTA CAMINHÃO DE MUNIÇÃO.


TANQUE PANTHER DESTRUÍDO. INFANTARIA EM AÇÃO.


CANHÃO ALEMÃO ANTI-TANQUE DE 17 POLEGADAS DESTRUÍDO.


TROPAS ALEMÃS NUM TANQUE PANZER V PANTHER.


INFANTARIA ALEMÃ PULANDO DE UM TANQUE PANZER V PANTHER.
avatar
Antonio C. Pulsy

Idade : 62
Localização : Canoas/RS.
Data de inscrição : 24/04/2014

http://antonio.pulsy@bol.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum